SAIBA TUDO AQUI SOBRE ESCORPIÃO.

Os escorpiões ou lacraus apresentam o corpo formado pelo tronco (prosoma e mesosoma) e pela cauda
(metasoma). O prosoma dorsalmente é coberto por uma carapaça indivisa, o cefalotórax, e nele se articulam os quatro pares de pernas, um par de quelíceras e um par de pedipalpos. O mesosoma apresenta sete segmentos dorsais, os tergitos, e cinco ventrais, os esternitos. A cauda é formada por cinco segmentos e no final da mesma situa-se o telso, composto de vesícula e ferrão (aguilhão) (fig. 28). A vesícula contém duas glândulas de veneno. Estas glândulas produzem o veneno que é inoculado pelo ferrão.
Os acidentes por Tityus serrulatus são mais graves que os produzidos por outras espécies de Tityus no Brasil. A dor local, uma constante no escorpionismo, pode ser acompanhada por parestesias. Nos acidentes moderados e graves, observados principalmente em crianças, após intervalo de minutos até poucas horas (duas, três horas), podem surgir manifestações sistêmicas.
As principais são:
a) Gerais:
hipo ou hipertermia e sudorese profusa.
b) Digestivas:
náuseas, vômitos, sialorréia e, mais raramente, dor abdominal e diarréia.
c) Cardiovasculares:
arritmias cardíacas, hipertensão ou hipotensão arterial, insuficiência cardíaca congestiva
e choque.
d) Respiratórias:
taquipnéia, dispnéia e edema pulmonar agudo.
e) Neurológicas:
agitação, sonolência, confusão mental, hipertonia e tremores.
O encontro de sinais e sintomas mencionados impõe a suspeita diagnóstica de escorpionismo, mesmo na ausência
de história de picada e independente do encontro do escorpião.
A gravidade depende de fatores, como a espécie e tamanho do escorpião, a quantidade de veneno inoculado, a massa corporal do acidentado e a sensibilidade do paciente ao veneno. Influem na evolução o diagnóstico precoce, o tempo decorrido entre a picada e a administração do soro e a manutenção das funções vitais.
Com base nas manifestações clínicas, os acidentes podem ser inicialmente classificados como:
a) Leves:
apresentam apenas dor no local da picada e, às vezes, parestesias.
b) Moderados:
caracterizam-se por dor intensa no local da picada e manifestações sistêmicas do tipo sudorese
discreta, náuseas, vômitos ocasionais, taquicardia, taquipnéia e hipertensão leve.
c) Graves:
além dos sinais e sintomas já mencionados, apresentam uma ou mais manifestações como sudorese
profusa, vômitos incoercíveis, salivação excessiva, alternância de agitação com prostração, bradicardia,
insuficiência cardíaca, edema pulmonar, choque, convulsões e coma.
Os óbitos estão relacionados a complicações como edema pulmonar agudo e choque.
veja mais  nessa  entrevita
fonte  =  manual da  funasa